NATAL, SEMPRE NATAL(Ivone Boechat)

    

    Você está começando a sentir um cheiro de saudade no ar? No imaginário da geração mais antiga, o cipreste começou a exalar o perfume de muitas recordações. Outrora, nas casas e igrejas, as árvores eram plantadas numa lata de banha de 20 quilos, cheia de terra. As mães, tias e avós faziam os enfeites: saquinhos de bala, bonequinhos, estrelas de pano colorido e a iluminação pisca-pisca que não podia faltar! A árvore conseguia sobreviver até o Dia de Reis, 6 de janeiro, festa popular.

Tudo mudou! As árvores são verdadeiras obras de arte! Lindas, variadas, de todos os preços. A maioria das crianças não ganhava presentes como hoje, não! Algumas conseguiam ganhar roupa e sapatos novos. Uma coisa deixou saudade: a alegria. Havia alegria! Porque à medida que os recursos financeiros abastecem a sociedade e quando se pode comprar tudo sofisticado, automático e barato, ao alcance de muito mais pessoas, a alegria vai ficando para o segundo plano. À medida que alguns familiares se enchem de dinheiro, desaparecem, porque, para eles, dinheiro é tudo!

Precisa-se de pais e mães afetuosos! Precisa-se de educadores que gostem de educar! Há urgência. É importante educar para aprender a valorizar a vida, as coisas pequenas mas grandiosas, as conquistas, a luta! As pessoas vão entulhando a casa de enfeites de Natal, presentes, comidas, passam por cima dos clamores e necessidades individuais do grupo familiar; tropeçam na dor e na angústia dos que nem sabem mais chorar e saem lá na frente, erguendo a bandeira do Ano Novo!

O Natal é, sim, uma data importante no calendário. Ela pontua e sublinha um espaço para as pessoas se abraçarem, conversarem, se alegrarem, se amarem. Esse regozijo contagia as gerações! Não precisa ter muito dinheiro... Imagina uma família que tem todo bem material, mas indiferente; uma Escola com Internet e computadores pra todo lado, sem comunicação; ou então uma Igreja toda moderna, barulhenta e morna?

Foi para ensinar uma lição eterna aos moradores do Planeta Terra que o Rei do Universo chegou, silenciosamente, e se instalou com a família numa hospedaria diferenciada, mas muito, muito feliz! Sem ar condicionado, porque a brisa do amor deu-lhes o conforto necessário. Sem camas confortáveis, porque o verdadeiro conforto que o homem precisa para dormir bem é o conforto espiritual de uma consciência reta. Sem um farto café da manhã, porque o que alimenta mesmo o homem é a fé, o “pão da vida”. Não havia garçons, a família foi assistida por anjos!

O Natal é uma excelente oportunidade para a reflexão! Não é só para servir um banquete regado a remorso, rancores,  self-service de tristezas e mágoas ou então de aparências! É um espaço para servir-se à vontade a sobremesa do prazer do perdão, da paz, da comunhão, do propósito de recomeço. Não precisa de presentes, é preciso, sim, acabar com a teimosia dos ausentes!

 

Ivone Boechat 

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar