Quem é o pastor? (Ivone Boechat)

O pastor é um homem especial, tem uma chamada especial; mas continua ser humano. Suas reações, por mais discretas, dirigidas ou reprimidas, revelam ao filho menos atento quando alguma coisa entra em estado de alerta, abatimento, ou crise. Como homem, o pastor tem a necessidade de desabafar e de trocar experiências com alguém sobre suas preocupações, provações, decisões. Ninguém melhor do que sua esposa para ouvi-lo e ajudar nos impasses. Acontece que a mulher do pastor é mãe e seu comportamento emocional se altera e isto se reflete nas relações do lar. Mais cedo ou mais tarde o elo de preocupações estará feito e todo o grupo vai perceber e pode sofrer; até calado, mas sofre. Aprendi, bem pequenina, como filha de pastor, que: “em boca fechada não entra mosca”; “quem muito fala, muito erra”. “quem muito fala dá bom dia a cavalo”. “o peixe morre pela boca”.
 
Como as pessoas se esquecem de que o pastor é mortal, sujeito a erros, fraquezas, angústias, tristezas! É filho de Deus, com missão especial no reino e precisa da misericórdia constante para exercer esse ministério. No mundo acadêmico o verbo é saber. No mundo artístico o verbo é criar. No capitalismo, o verbo é ter. No ministério pastoral, o verbo é ser. Ser ministro do Evangelho é um grande privilégio. O Apóstolo Paulo concluiu: “Mas, pela graça de Deus, sou o que sou...” I Co 15:10.
Pastores são obreiros segundo o coração de Deus, homens segundo o coração de Deus; são aqueles que têm uma consciência amadurecida da sua condição diante do Senhor e da obra que têm para realizar. O pastor é um profeta; é porta-voz de Deus. “Não havendo profecia, o povo se corrompe...” Pv 29:18. Nunca duvidem, porque Deus mostra mais coisas ao pastor do que se imagina... Ele tem informações privilegiadas, vindas do céu, no tempo e no espaço. ”Ele é o anjo da igreja” Ap 2:8. “Com certeza o Senhor Deus não fará nada, sem antes revelar o seu segredo aos seus servos, os profetas” Amós 3:7. 
O profeta Jeremias diz que “É Deus quem dá pastores ao povo”. O pastor não é um empregado da Igreja, é um servo exercendo o ministério recebido do céu, convocado por Deus. “E vos darei pastores segundo o meu coração, que vos apascentem com ciência e com inteligência” Jr 3:15. O dinheiro que gera o salário do pastor é de Deus; fruto do dízimo que as pessoas devolvem à Igreja. O patrão é o Senhor; é com o dinheiro dele que se sustenta a obra. A Igreja apenas administra e obedece ao que lhe foi ordenado: “...Digno é o obreiro do seu salário...”. Lc 10:7
 
O pastor é sentinela da verdade. Doa a quem doer: se Deus mandar, o pastor tem que pregar o que lhe foi ordenado. “Jamais deixei de anunciar todo o desígnio de Deus” At 20:27.
 
O pastor é um guardião do Evangelho e das doutrinas: "Porventura, procuro eu, agora, o favor dos homens ou o de Deus? Ou procuro agradar a homens? Se agradasse ainda a homens, não seria servo de Cristo” Gl 1:10.
 
Com missão tão gloriosa e árdua a cumprir, os pastores se esforçam para agradar e sofrem quando percebem que a expectativa era maior e mais, muito mais. Os que  exigem perfeição no trabalho do pastor (e são muitos), cobram e cobram, não deixando passar nada. Há até aqueles que falam mal da Igreja, do pastor, da denominação, de tudo, perto das crianças e depois vão procurar ajuda para entender as causas do desajuste espiritual dos seus filhos e dos filhos dos outros. Promovem encontro disto, daquilo e daquilo outro, tentando buscar recursos para ajustar a família. Causas de desajuste? Um deles, com certeza é o mau exemplo. Às vezes, não se compreende porque tantos jovens se afastam da Igreja e fogem dos crentes; não querem nem ouvir falar de Bíblia; de culto de oração; de escola bíblica; ...embora tenham sido pessoas educadas, desde bebês, num ambiente cristão, dia e noite, na Igreja e se decepcionaram.
 
O pastor é mensageiro de Deus, conselheiro, profeta, nosso irmão na fé, porém, não é super-homem. É humilde servo do Senhor, chamado para o cumprimento da missão. Há muito espinho na obra, pode-se garantir isto. Ele precisa do apoio, das orações, de cooperação para não fraquejar nem esmorecer nas tentações.
 
O pastor precisa preparar, por ano, no mínimo, mais de cento e cinquenta mensagens, só para o púlpito; mais ainda para os cultos fora da Igreja. Ele precisa ler e se atualizar, sempre, para não ficar repetitivo; a sua aparência deve estar ótima; o humor em nível altíssimo; a paciência deve ser inesgotável. Se errar, dificilmente será compreendido. Muitas pessoas, com muita experiência, perseguem os pastores, exigem deles a perfeição, desafiam e perturbam o ministério, em nome de um enorme zelo pelo Evangelho. Zelo pelo Evangelho seria adotar os princípios da ética cristã e contribuir para a valorização da obra da Igreja através do exemplo de sua vida espiritual, em crescimento, com muita discrição e muito zelo ao falar. A discrição passa longe, muitas vezes. Ninguém pode negar que os tais são experientes mesmo. Derrubam o que encontram pela frente. Nada para eles está bom, tudo está errado, são campeões de críticas e só críticas. Os experientes profissionais não têm nenhuma pressa, às vezes, levam anos e anos, até conseguirem êxito. Atiram no que veem e derrubam o que não são capazes de ver: o bom nome da Igreja.
 
Pastor, “no dia em que o senhor for totalmente compreendido, o senhor estará totalmente superado”!
 

Comentários   

 
0 #2 ServoJ. Carlos 11-06-2015 10:47
Muito maravilha essa reflexão, o Pastor continua um ser humano com todos os problemas pessoas, familiar e agora ainda maior que é cuidar de pessoas.
 
 
0 #1 ameiefrain de jesus 11-06-2014 10:10
amei essas VERDADES!!! valor, temos que dar valor a pessoa que DEUS escolheu para nos estruir no caminho certo aqui na terra, obrigado!! BOA ESSA PALAVRA!!
 

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Array
(
    [type] => 8
    [message] => Undefined index: option
    [file] => /home/praze123/public_html/libraries/joomla/environment/uri.php
    [line] => 408
)