BOA NOITE: E quem salva o Jorge? (Lécio Dornas)

Que as novelas da televisão brasileira estão em queda há tempos, não é segredo para ninguém. Quando achamos que chegaram ao limite do tétrico, aparece uma de nível ainda mais baixo.

A Rede Globo exibe, desde 22 de Outubro passado, o folhetim de Glória Perez, "Salve Jorge".  A polêmica intalou-se logo e muito comentário alimentou o palavlório na mídia e nos ambientes eclesiásticos. Precisei ir à pesquisa para entender o eixo da balbúrdia.

A autora tenta conectar a controvertida história de Jorge (275-303d.C.), conde da Capadócia (hoje parte da República da Turquia), epecialmente o mito “O dragão e a princesa”, onde Jorge teria matado um dragão ao qual já haviam sacrificado todas as donzelas de Sylén, na Libia, com  excessão da princesa Sabra, filha do rei do Marrocos e do Egito. Ela seria oferecida ao dragão no dia seguinte ao da chegada de Jorge na cidade. Segundo a lenda, Jorge se colocou com seu cavalo à frente do cortejo que levava a princesa, atacou o dragão e o matou, cravando sua lança no pescoço da fera. O rei, não querendo que sua filha se casasse com um cristão, tentou armar para que Jorge fosse morto, mas o mesmo escapou e fugiu com Sabra para a Inglaterra, onde casaram-se e foram felizes.

No folhetim, a intenção é reproduzir a saga, numa tentativa de releitura contemporânea. Os temas do tráfico de mulheres, contrabando de crianças, drogas, prostiuição, adultério, traições, negociatas, dentre outros, são habilmente tecidos visando fazer emergir um herói-galã que deverá ser feliz com a princesa da novella. Isto acontece após desbaratar uma quadrilha militante no tráfico de drogas, crianças e mulheres na ponte Rio de Janeiro - Turquia. Tudo isso, é claro, num caldo de muita sensualidade, materialismo, egoismo e intrigas, especilidades da emissora.

No entando. as situações problemáticas da novela, envolvendo pessoas nas mais baixas, degradantes e sujas confusões e tramas, são sórdidas e pérfidas. E ainda há o refrão: "Salve Jorge!" sendo repetido no início e no final de cada bloco. Isso pare sugerir que Jorge vai intervir e atuar no desfazer de cada nó que Gloria Perez e a equipe da Globo fizeram. Em geral, tratam-se de situações muito presentes na vida real, embora no site da novela encontramos a afirmação dizendo: "Esta é uma obra coletiva de ficção baseada na livre criação artística e sem compromisso com a realidade". (Site da novela -http://tvg.globo.com/novelas/salve-jorge/creditos.html). Irônico, no mínimo.

Os rolos e as interações pernósticas e abusivas são tão vulgares e, ao mesmo tempo, complicadíssimas do ponto de vista da relações humanas, que a gente fica com pena do Jorge. Se ele tiver que agir em cada bagunça da novela, tadinho dele. Será feliz se ao menos conseguir que toda sua reputação de herói não caia por terra.

Que a podridão das telenovelas não invada a vida dos brasileiros, uma vez que as mesmas já lhes invadiram os lares!

Diz a história que Jorge foi um cristão exemplar, que jamais negociou suas convicções cristãs e nunca abriu mão de sua fé em Jesus. Tornou-se mesmo um mártir, por recusar negar sua fé em Cristo. Tomara que este folhetim não apague o que há de bom na biografia do conde da Capadócia.

Que Deus salve o Brasil do Jorge da saga e que o Jorge da história seja salvo das garras do folhetim bestial, já que não o conseguiu ser da crendice popular alimentada por Roma.

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar