O PLANEJAMENTO DE ESDRAS (Ramon Chrystian)

ESDRAS 8. 21-23
 
Perto do canal de Aava proclamei um jejum, pois era hora de demonstrar humildade diante do nosso Deus e de orar por sua orientação e proteção na viagem, pelas pessoas e pelos bens que estávamos transportando. É que eu tinha ficado sem jeito de pedir uma escolta ao rei contra os assaltos na estrada. Em vez disso, dissemos a ele: “O nosso Deus protege todos os que o buscam, mas se desvia daqueles que o abandonam”.
Assim, jejuamos e oramos por nossa viagem. E Deus nos ouviu.”
(Biblia – A Mensagem)
 
Esdras recebeu apoio do rei Artaxerxes para fazer uma importante viagem à Jerusalém. Estava levando em sua comitiva uma grande quantidade de riqueza que seria usada sobretudo no templo do Senhor. Seriam cerca de 1440 Km a pé com duração aproximada de 4 meses. Poderiam ser assaltados durante a viagem, o caminho era perigoso, mas ele confiou na proteção de Deus.
 
Esdras nos leva a uma reflexão importante sobre nossos planos. Ele acampou perto do canal de Aava e fez uma espécie de checklist, observou quem estava consigo, mandou chamar levitas e servidores do templo de Deus para serem incluídos na comitiva e tomou diversas providências para a viagem. Tal atitude demonstra um zelo e um importante bom senso da parte de Esdras na administração da viagem.
 
Mas Esdras sabia que precisava da mão de Deus com ele. Convocou o povo a orar por sua orientação e proteção durante a viagem. Mesmo com todo o amparo que o rei lhe dera, Esdras não se sentiu superior mas humildemente entregou a Deus seus planos.
 
E assim foi:  “A boa mão de Deus estava conosco.” (v.18)
 
Planejar é preciso, porém é a boa mão de Deus que nos permite realizar os planos. Essa afirmação deve nos levar a ter uma posição de humildade. Pense nisso.
 
RAMON CHRYSTIAN DE A. LIMA
Música | Recursos | Reflexões

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar