ELE NÃO ESTÁ AQUI (Sylvio Macri)

“Ele não está aqui, mas ressuscitou”, foi a frase vitoriosa que as mulheres que foram ao túmulo de Jesus na madrugada de domingo ouviram dos dois anjos que lá estavam. Numa atitude de carinho e respeito, elas tinham ido perfurmar o corpo de Jesus, mas ouviram dos mesmos anjos a pergunta: “Por que vocês procuram entre os mortos aquele que vive?” (Veja o texto em Lucas 23.50-24.12) 
 
Tinham ido em busca de um cadáver, mas encontraram o túmulo vazio. Infelizmente não haviam entendido bem o que o próprio Jesus dissera a seus discípulos várias vezes - que seria julgado, condenado, crucificado, mas ressuscitaria ao terceiro dia. Os evangelhos registram pelo menos dez vezes em que Jesus predisse sua morte e ressurreição.   
 
Essas mulheres eram Maria Madalena, Joana, Maria, mãe de Tiago, e outras, que ao verem a sepultura vazia e serem lembradas pelos anjos da promessa da ressurreição, foram correndo dizer aos apóstolos e demais discípulos o que havia acontecido, “mas as palavras delas lhes pareceram um delírio; e não lhes deram crédito” (Lc.24.11). Quanta dureza de coração!
 
De fato, a ressurreição é incompreensível à razão humana, mas não uma impossibilidade.  Aliás, mais do que uma possibilidade, era exatamente o que se devia esperar, pois, como disse Pedro mais tarde, “Deus ressuscitou Jesus, quebrando as algemas da morte, porque não era possível que fosse detido por ela.” (At.2.24). 
 
Foi isso que Jesus disse em João 10.17,18: “Dou a minha vida para retomá-la. Ninguém a tira de mim, mas eu a dou espontaneamente. Tenho autoridade para dá-la  e para retomá-la. Essa ordem recebi de meu Pai.” Por essa razão, ele afirmou que estava chegando a hora da sua glorificação. O que para os discípulos foi aparente derrota na crucificação, tornou-se vitória na ressurreição.
 
Deus cumpriu o que “antes havia prometido pelos seus profetas nas santas Escrituras, acerca de seu Filho, que, humanamente, nasceu da descendência de Davi, e com poder, foi declarado Filho de Deus segundo o Espírito de santidade, pela ressurreição dentre os mortos, Jesus Cristo, nosso Senhor.” (Rm.1.2-4).
 
Ao escritor de Apocalipse, Jesus disse: “Eu sou o que vive; fui morto, mas agora estou aqui, vivo para todo o sempre e tenho as chaves da morte e do inferno.” (Ap.1.18).
 
Pr. Sylvio Macri 

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar