É possível uma vida sem frustrações?

Circulou, por outros meios, um magnífico texto da jornalista Eliane Brum (da revista época), em que ela diz, por exemplo, que a nova geração não foi ensinada a criar a partir da dor.

Compartilho alguns parágrafos com você, mas eu lhe recomendo pular minha seleção e ir direto para o link.

"Ao conviver com os bem mais jovens, com aqueles que se tornaram adultos há pouco e com aqueles que estão tateando para virar gente grande, percebo que estamos diante da geração mais preparada – e, ao mesmo tempo, da mais despreparada. Preparada do ponto de vista das habilidades, despreparada porque não sabe lidar com frustrações. Preparada porque é capaz de usar as ferramentas da tecnologia, despreparada porque despreza o esforço. Preparada porque conhece o mundo em viagens protegidas, despreparada porque desconhece a fragilidade da matéria da vida. E por tudo isso sofre, sofre muito, porque foi ensinada a acreditar que nasceu com o patrimônio da felicidade. E não foi ensinada a criar a partir da dor".

"É como se os filhos nascessem e imediatamente os pais já se tornassem devedores. Para estes, frustrar os filhos é sinônimo de fracasso pessoal. Mas é possível uma vida sem frustrações? Não é importante que os filhos compreendam como parte do processo educativo duas premissas básicas do viver, a frustração e o esforço? Ou a falta e a busca, duas faces de um mesmo movimento? Existe alguém que viva sem se confrontar dia após dia com os limites tanto de sua condição humana como de suas capacidades individuais?"
PARA LER TODO O TEXTO, CLIQUE AQUI.

Vale a pena divulgar entre as pessoas que pastoreamos.

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar