Carta aberta à presidente do Flamengo, Patrícia Amorim:

alt
 
Cara senhora Patrícia Amorim:
Escreve-lhe um botafoguense, depois de ler sua entrevista sobre as atitudes que o Flamengo pretende tomar em relação ao seu ex-goleiro titular.
A senhora, sem dúvida, tem a noção precisa, como dirigente, do custo a ser pago por seu clube por um jogador que um dia foi capitão do time principal, e, ao mesmo tempo, como mãe, da crise instalada nos corações dos torcedores, sobretudo aqueles cujo caráter está em formação. Por isto, a senhora não fica ao largo, como se o problema devesse se circunscrever à área policial, porque o lugar do Flamengo não é na editoria de crime.
Por estes dias estou lendo o livro bíblico dos Provérbios. Nele aprendemos, por exemplo, que "quem examina cada questão com cuidado prospera" (Bíblia -- Provérbios 16.20). Foi o que a senhora fez ao chamar os "notáveis", a quem ouviu antes de decidir e antes de falar. "A palavra proferida no tempo certo é como frutas de ouro incrustadas numa escultura de prata" (Provérbios 25.11). Parabéns.
Tem sido cada vez mais comum, quase um consenso, que aquilo que o jogador faz fora de campo não interessa ao seu clube e a ninguém, desde que não atrapalhe o seu desempenho em campo. Tardiamente, acabo de ler a biografia de Rui Castro sobre Garrincha, a estrela solitária do Botafogo e que também atuou já mambembe pelo Flamengo. Não fica dúvida que Garrincha terminou como terminou por aquilo que ele fazia fora de campo, desde as influências nefastas do seu pai e amigos desde Pau Grande, sua terra natal.
Os jogadores precisam saber que uma pessoa não se divide; antes, é uma unidade. Isto vale tanto para o plano pessoal quanto para o profissional. Um jogador é também sua imagem. Por isto, os patrocinadores gastam dinheiro com eles: a imagem deles lhes gera dinheiro.
Talvez a crítica lhe venha, por causa do mau-mocismo que anda por aí, mas recebo com satisfação sua disposição, que espero se concretize, em passar a adotar um novo artigo nos contratos a serem celebrados com os jogadores, para obrigá-los a "honrar a imagem e o bom nome do Flamengo" e observar "as regras de boa conduta e imagem pública que lhe são pertinentes". Espero que os outros clubes façam o mesmo, para o bem deles mesmos.
Eles precisam saber que "há caminho que parece reto ao homem, mas no final conduz à morte". (Provérbios 16.25). Ao agir como está procedendo, a senhora indiretamente está dizendo isto aos jogadores, a todos os jogadores de todos os clubes, inclusive os que estão agora na divisão de base olhando para os seus heróis. Que os maus exemplos lhes ajudem a ver que vale a pena ser bom, sabendo que todo o prazer tem o seu preço.
Estou certo também que a senhora e seu clube tudo farão para ajudar aqueles jogadores que, em dificuldades por causa de sua formação ou dos "amigos" que ganjearam (aqueles mesmos que um dia poderão chutá-los como "cães sarnentos" quando não interessarem mais, no dizer um de um advogado do caso em questão), decidirem buscar apoio para viverem de modo responsável e feliz. Afinal, o futebol está de tal forma incluído na vida brasileira que o bem que se fizer ao esporte será um bem para o Brasil. Um Brasil decente passa por um futebol decente.

ISRAEL BELO DE AZEVEDO
 

Comentários   

 
0 #2 Todos pecamos diariamenteGuest 19-07-2010 11:17
Será que é esse procedimento que devemos adotar com os que estão caídos?
Acredito que a decisão tomada pela a presidente do Flamengo é muito mais financeira do que moral.
As vitórias alcançadas não saíram da história do clube (conjunto), e as derrotas na sua vida pessoal (você luta sozinho que você se dane: tiro o seu advogado, dou-te uma justa causa, paga-me indezinação pela minha imagem...)
Em nosso próprio meio observo muitos pastores que fizeram milhares coisas excelentes, mas por um desvio ou outro são crucificados até hoje. Todos pecaram (ou pecam?) e destituídos estão da glória de Cristo. Deus é quem no justifica, pelo sacrificio de Cristo. O inferno não é só para os assassinos, é também para os mentirosos, hipócritas, julgadores, bebebores...
 
 
0 #1 Meu lamentoGuest 17-07-2010 22:00
Caro Israel,
comentava hoje com nosso amigo em comum, Ralfh, o q lamento é q na primeira declaração do goleiro Bruno, há meses atrás, em defesa do colega Adriano, dizendo "quem nunca levou uma mulher na mão?" dizendo em português, quem nunca bateu em mulher?, ela já, naquele tempo, como mulher e presidente, poderia ter tomado providências. Acho tardio e oportunista, e por isso lamento. Não vejo caráter educativo na postura dela. Abraço. Liz
 

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Array
(
    [type] => 8
    [message] => Undefined index: option
    [file] => /home/praze123/public_html/libraries/joomla/environment/uri.php
    [line] => 408
)