Carnaval: sair ou ficar? Contracultura ou inserção?

Durante o Carnaval, alguns evangélicos simplesmente ficaram em casa, até mesmo (uns poucos) "se divertindo" com os desfilos e outros programas menos inocentes.

Outros acompanharam suas igrejas em retiros ou acampamentos especiais, dedicados ao lazer e ao estudo bíblico.

E outros saíram as ruas para evangelizar pessoalmente ou até desfilando em blocos "evangélicos".

O Carnaval é mesmo um tempo para se pensar a "pedagogia da diferença". Deve ser o nosso caminho, naquilo que Niebuhr chamou de "contracultura", ou devemos nos inserir, já que todos estão ligados na festa e suas circunstâncias?

 

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar

Array
(
    [type] => 8
    [message] => Undefined index: option
    [file] => /home/praze123/public_html/libraries/joomla/environment/uri.php
    [line] => 408
)