O PERFUME DA CRUZ

Do pomar das muitas frutas plantadas
para conhecimento e nutrição
escolheu o homem a única indevida
para selar sua partida
e deixar clara sua rejeição
à palavra divina que traz plena vida.
 
Seu pecado não foi escolher a liberdade:
livre já o era no nascimento.
Seu crime foi escolher a prisão,
seduzido por um sorriso de fingimento
deixado depois da tentação
na senda solitária do sofrimento.
 
Mas Deus, que o verbo da desistência
não conhece e não conjuga em seu coração,
fez nascer no pomar da primeira existência
a planta pequena da paz,
a que desabrocha em forma de reconciliação
e de inimigos amigos fieis faz.
 
Ao longo dos milênios dos dias havidos
uma semente germinava aqui
para ser morta ali
e não dar o fruto da restauração,
o único que, comido, vida faz produzir
e transforma o desencontro em comunhão.
 
Na plenitude dos milênios tristes transcorridos,
do alto de um monte fora da cidade
arrebenta sobre as pedras uma flor.
Tem a forma de uma cruz.
Tem a força de uma cruz.
Tem o peso de uma cruz.
 
Ela suporta a forma de um homem.
Ela guarda a força de um homem.
Ela resiste ao peso de um homem.
 
Nela, o homem justo vindo do céu é cravado
por homens que não sabiam o que faziam.
Não lhes importa que o seu sangue jorre.
(Não passa ele de um dócil animal de sacrifício.)
Não lhe interessa que o sol forte torre
o seu corpo, com uma luz firme e um pesado calor.
Melhor será quanto maior for a sua dor.
 
A cruz, não parece, mas é Deus em ação.
Cheia quando espoucava a luz do dia, 
mas, quando a noite se punha, vazia,
a cruz tem raízes fundas no chão,
que se espalham até o túmulo da ressurreição,
Tem raízes que atravessam a nuvem sombria
diante das testemunhas tantas da ascensão.
 
Como os homens que olharam, no deserto,
para a haste de metal e foram perdoados,
podemos olhar para ela e receber o abraço
em que Deus nos mostra quem somos: filhos amados.
A cruz, com a ressurreição, é o Pai perto.
A cruz é a cesta de aromas sobre nós lançados
para da culpa nos livrar até o último traço.
 
ISRAEL BELO DE AZEVEDO
 

Comentários   

 
#4 O Perfume da CruzJosé Ivo 21-08-2016 17:38
Poesia linda e teologicamente correta. Onde narra com profundidade a criação, desobediência, decadência, e a obra de Deus na salvação deste homem perdido. Que o Senhor te inspire acada dia para em, forma de poesia proclamar as Suas verdades, o Evangelho de Cristo.
 
 
#3 Deus Me TudoAndrea 19-05-2016 10:40
Muito Lindo Este Poema.
 
 
#2 Deus em ação.logiagospel 09-02-2015 21:49
Paz e graça sobre todos...
Lindo o poema..precisam os ouvir contos que alegram a nossa alma, pois o mundo conta muito de seus malefícios diariamente..
 
 
#1 fruta gostosaJoel Inacio dos Sant 15-04-2014 06:24
Que lindo Israel. Que fruta gostosa, aromosa e sustentosa.
 

Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar