Roteiro para Pequenos Grupos - VONTADE PROATIVA E VONTADE PERMISSIVA

Segundo a teologia do Antigo Testamento, sobretudo nas crônicas dos reis (1 e 2 Samuel, 1 e 2 Reis e 1 e 2 Crônicas) é que todas as coisas que acontecem resultaram das ações de Deus, mesmo as coisas ruins.
Uma das soluções teológicas para enfrentar o dificílimo problema do mal (no caso a doença do rei Uzias) é a chamada "vontade permissiva" de Deus.
Segundo esta boa compreensão, Uzias ficou doente por uma causa natural, mas Deus permitiu que ele ficasse doente. Como poderia ter impedido (como muitas acontrece), ele é o responsável final por ela.
Assim, Deus não deseja que o mal aconteça, mas permite que se ele se dê.
Assim, não é da vontade de Deus que um bebê nasça com uma doença grave, incapacitadora ou letal. E Deus não evitou.
Não é da vontade de Deus que um pai despenque moralmente seu carro numa curva. E Deus não o interceptou.
Não é da vontade de Deus que chuvas produzam lamas que sepultem corpos e casas. E Deus não impediu.
A criança nasce enferma porque uma lei natural foi quebrada, conheçamo-la ou não. 
Um caminhão tomba na curva porque houve uma falha: do motorista, do construtor da entrada, do órgão fiscalizador das rodovias ou outra pessoa ou organização.
As chuvas destroem porque, tendo caído, elas precisaram passar. 
Mas nós gostaríamos que Deus tivesse agido e abortado os desdobramentos desagradáveis e dolorosos. Nós queremos um Deus que suspenda Suas próprias leis em nosso favor.
Na verdade, devemos pedir-Lhe isto. Devemos pedir por saúde, mesmo comendo mal. Devemos pedir para chegar bem ao destino, mesmo dirigindo mal. Devemos pedir por segurança em nossa casa, mesmo que a tenhamos construído em lugar inseguro.
Pedir é conosco. Conceder é com Ele.